Warning: Parameter 1 to ace_where() expected to be a reference, value given in /home/fnorte/public_html/wp-includes/plugin.php on line 227

Warning: Parameter 1 to ace_join() expected to be a reference, value given in /home/fnorte/public_html/wp-includes/plugin.php on line 227
F.Norte | de volta a ativa

Bem-vindo

Um programador web agora mexendo com cartografia digital e um entusiasta do ciclismo, falando sobre tecnologias web e SIGweb, ciclismo urbano, cultura, política e mimimis

28 junho 2014 ~ 0 Comments

A Máscara

A mesma repressão que se dá aos mascarados, acusados por antecipação de um crime por usarem uma máscara, é a mesma coisa que a polícia está acostumada nas favelas. É preto é pobre é suspeito, prende e bate, se correr atira… Usa máscara, é vândalo, prende, bate se correr mete bala de borracha.

Em caso de depredação, os envolvidos devem ser presos e levados sim, mesmo que eu entenda e defenda a tática como desobediência civil, e inclusive devem ser julgados como tal, não como corporações criminosas, entendendo o motivo que leva ao direito de manifestação, mesmo que violenta. Isso não pode ser um privilégio exclusivo do estado.

Assim como não se deve agir com truculência e repressão aos que se encontrarem na frente como se descontassem a frustração de não evitar o real criminoso para culpabilizar o primeiro que possa lembrá-lo.

Quando havia um estado totalitário durante a ditad… o regime militar, manifestar contra o estado era um ato legítimo contra o estado e tratado como criminoso terrorista, e eu entendo que havia essa mentalidade perversa. Porém após a constituição de 1988  nos tornamos um estado democrático de direito. Parece que tentaram fazer isso no congresso, no governo, mas os militares não. Parece que tem um acordo de cavalheiros do tipo… Tá façam a sua constituiçãozinha, continuaremos a defender a nação do nosso jeito, vocês não mexem com a gente e nós não mexemos com vocês.

 

 

28 junho 2014 ~ 0 Comments

A Máscara

A mesma repressão que se dá aos mascarados, acusados por antecipação de um crime por usarem uma máscara, é a mesma coisa que a polícia está acostumada nas favelas. É preto é pobre é suspeito, prende e bate, se correr atira… Usa máscara, é vândalo, prende, bate se correr mete bala de borracha.

Em caso de depredação, os envolvidos devem ser presos e levados sim, mesmo que eu entenda e defenda a tática como desobediência civil, e inclusive devem ser julgados como tal, não como corporações criminosas, entendendo o motivo que leva ao direito de manifestação, mesmo que violenta. Isso não pode ser um privilégio exclusivo do estado.

Assim como não se deve agir com truculência e repressão aos que se encontrarem na frente como se descontassem a frustração de não evitar o real criminoso para culpabilizar o primeiro que possa lembrá-lo.

Quando havia um estado totalitário durante a ditad… o regime militar, manifestar contra o estado era um ato legítimo contra o estado e tratado como criminoso terrorista, e eu entendo que havia essa mentalidade perversa. Porém após a constituição de 1988  nos tornamos um estado democrático de direito. Parece que tentaram fazer isso no congresso, no governo, mas os militares não. Parece que tem um acordo de cavalheiros do tipo… Tá façam a sua constituiçãozinha, continuaremos a defender a nação do nosso jeito, vocês não mexem com a gente e nós não mexemos com vocês.

 

 

28 junho 2014 ~ 0 Comments

A Máscara

A mesma repressão que se dá aos mascarados, acusados por antecipação de um crime por usarem uma máscara, é a mesma coisa que a polícia está acostumada nas favelas. É preto é pobre é suspeito, prende e bate, se correr atira… Usa máscara, é vândalo, prende, bate se correr mete bala de borracha.

Em caso de depredação, os envolvidos devem ser presos e levados sim, mesmo que eu entenda e defenda a tática como desobediência civil, e inclusive devem ser julgados como tal, não como corporações criminosas, entendendo o motivo que leva ao direito de manifestação, mesmo que violenta. Isso não pode ser um privilégio exclusivo do estado. Assim como não se deve agir com truculência e repressão aos que se encontrarem na frente como se descontassem a frustração de não evitar o real criminoso para culpabilizar o primeiro que possa lembrá-lo.

Quando havia um estado totalitário durante a ditad… o regime militar, manifestar contra o estado era um ato dentro da lei nacional contra o estado e tratado como criminoso terrorista, e eu entendo que havia essa mentalidade perversa, Porém após a constituição de 1988  nos tornamos um estado democrático de direito. Parece que tentaram fazer isso no congresso, no governo, mas os militares não. Parece que tem um acordo de cavalheiros do tipo… Tá façam a sua constituiçãozinha, continuaremos a defender a nação do nosso jeito, vocês não mexem com a gente e nós não mexemos com vocês.

 

 

27 maio 2014 ~ Comentários desativados

Repetindo erros

Essa tendência tem sido global, as pessoas colcoam a “culpa” em toda uma ideologia socialista, por serem os governantes vigentes, e por acreditarem que a crise foi causada por eles, sem observar que isso é um legado antigo de governos passados que permitiram chegar a esses problemas com o liberalismo econômico.

E em meio ao caos, com medo de receções piores, começam a dar ouvidos a extrema-direita, que impõem sansões, expulsa os imigrantes, quando eles mesmos tem que limpar suas ruas e casas, que prometem reerguer o país através de unidade, com nacionalismos e acreditando que todos devem ser e pensar iguais a eles, senão são párias.

NeoNazistas na Grécia e na Alemanha ganham cadeiras federais, a extrema-direita assume na França.
Parece que o mesmo aconteceu na Bolívia e outros países na América Latina.
Aqui a insatisfação tresloucada com o governo atual, de gente com memória curta para outros tempos, ou que tem raiva de ver pobre melhorar de vida… “as custas dos meuuuuuuus impoooostos”, vai fazendo cair um governo que trabalhou de forma socialista e diminui a desigualdade e manteve a economia estável em meio a diversas crises globais. Tem lá seus defeitos, e muitos, estranhamente os menos citados e os mais relevantes, o populacho prefere o circo de mentiras e leviandades do que se dar ao trabalho de se informar um pouco mais. Mas, tem muito mais qualidades e feitos do que muitos governos passados.

Eu e Regina Duarte temos medo mesmo dos próximos anos…

http://www.portugues.rfi.fr/geral/20140525-extrema-direita-francesa-vence-eleicao-para-o-parlamento-europeu

27 maio 2014 ~ 0 Comments

Repetindo erros

Essa tendência tem sido global, as pessoas assumem a todo uma ideologia socialista por serem os governantes vigentes, por acreditarem que a falha deles, sem observar que isso é um legado antigo de governos passados que permitiram esses problemas com o liberalismo econômico.

E em meio ao caos, começam com medo de receções piores a dar ouvido a extrema-direita que impõem sansões, expulsa os imigrantes quando eles mesmos tem que limpar suas ruas e casas.

NeoNazistas na Grécia e na Alemanha ganham cadeiras federais, a extrema-direita assume na França.
Parece haver casos na Bolívia e outros países.

Eu e Regina Duarte temos medo dos próximos anos…

http://www.portugues.rfi.fr/geral/20140525-extrema-direita-francesa-vence-eleicao-para-o-parlamento-europeu

18 abril 2014 ~ 0 Comments

Controlando a camada do MapServer em tempo de execução

Seguindo a dica do Prof. Marcello Benigno (que está ministrando um excelente curso online de MapServer), consegui resolver um “problema” para melhorar a perfomance do MapServer e controlar uma camada de dados em tempo de execução, ao invés de separar todos os itens da mesma em várias camadas, o que geraria uma lentidão gigante que soma o servidor, a transferência dos arquivos e o processamento no cliente.

Eu tenho como teste e fonte de estudos para o MapServer um mapa de uso e ocupação do solo, que tem 19 categorias de uso e ocupação, na área de metade do município do RJ (toda a Zona Oeste), com mais de 11mil polígonos, com milhares de pontos para cada polígono. Na primeira tentativa de mostrar esses dados eu trabalhei apenas com a leitura de um arquivo base (ESRI ShapeFile) e exibição em vetores pelo OpenLayers. Devido a grande quantidade de polígonos e área, e a incapacidade do OpenLayers em reduzir os polígonos em escala maiores, o resultado foi frustrante, pois emperrava as máquinas clientes na construção de tantos polígonos.

Resolvi então adotar o MapServer para gerar um WMS, assim ele se encarrega de construir a imagem completa e entregar ao navegador apenas os tiles dessa imagem, sem a necessidade do cliente processar tantos polígonos. Porém havia a demanda dos usuários poderem escolher a exibição das categorias separadamente. A princípio poderia ter separado cada categoria para uma camada do mapServer, porém isso geraria uma demanda grande de requisições para o servidor, a entrega de mais imagens, fazendo com que ficasse 19 vezes mais pesado e consequentemente lento.

A idéia inicial era tentar de alguma forma poder alterar a seleção dos tipos de uso e ocupação para exibir apenas os tipos desejados ou alterar o estilo dos tipos para fazê-los ficarem transparente. A dica do Prof. Marcello, foi o uso do Run-time Substitution, que permite passar parâmetros para o MapServer que substitui os valores no mapFile com o uso de [%CDATA%], e usar o recurso de FILTER para selecionar os itens. Assim algumas linhas alteradas no mapFile e algumas instruções javascript e obtive o resultado desejado.

Para o MapServer, foram acrescentadas ao LAYER:

1
2
3
4
5
6
7
        METADATA
            "COD_LIST_validation_pattern" "^[0-9,]+$"
            "default_COD_LIST" "1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19"
        END
        FILTERITEM "Cod"
        FILTER ([Cod] IN '%COD_LIST%')

COD_LIST é o nome da variável que escolhi.

Obs.: por alguma razão desconhecida (talvez a diferença do Ubuntu para Debian), ao colocar esse material no meu servidor remoto percebi – depois de muito quebrar a cabeça – que havia uma questão de case sensitive, pois o OpenLayers transforma o parâmetro cod_list em maiúsculo para o MapServer e deixava de ser funcional, por isso fui pelo caminho mais fácil tratando como maiúsculo o nome da variável no mapFile.

O validation_pattern é uma expressão regular para determinar que os valores são números inteiros, que o mapserver exige que seja obrigatório,

default_ , que é obviamente o padrão inicial do filtro, coloquei todos os tipos existentes para começarem ativos. O FILTERITEM determina o campo dos dados que desejo filtrar, no caso o código do tipo de uso e ocupação, e o FILTER receba uma lista como no default_ que irei tratar no javascript.

Para o javascript, eu criei em HTML da mesma lista dos tipos manualmente usando um checkbox com o valor de cada código do tipo de uso, e com bibliotecas jQuery eu controlei o que está marcado para então atualizar a camada através do OpenLayers:

1
2
3
4
5
6
7
    $(".uso_ocupacao input").change(function(){
        var lista = [];
        $(".uso_ocupacao input:checked").each(function(){
            lista.push(this.value);
        });
        tizo.mergeNewParams({cod_list: lista});
    });

Usando a função change, do jQuery, que determina quando houve alteração em algum campo de formulário, ele coloca o valor de cada (.each) um dos inputs que estiverem checados em um array, que então a função .mergeNewParams() do OpenLayers altera o parâmetro cod_list com a lista dos itens atualizados para o WMS do MapServer. 

E assim resolvido de uma forma otimizada. A transição na escolha dos tipos ocorre de forma mais lenta, pois o que o mapServer faz é reconstruir a imagem do mapa e devolvê-la em tiles, mas é melhor uma transição pouca lenta quando requisitada do que todo o carregamento inicial na troca de escala ser dez a vinte vezes mais lento.

O resultado: http://globalgeosig.com.br/tizo - Na janela de camadas, no título em fundo cinza ‘Uso e Ocupação [+]‘ abre a lista de tipos de uso.

21 janeiro 2014 ~ 0 Comments

De volta de novo

Pela enecésima vez, re-blogando. Site ativo, e muita coisa para colocar.

Aqui pelo menos eu não perco as coisas no tempo e no espaço como em outros socia-media-coisas.

Eh vamu que vamu.

Tags: ,

21 janeiro 2014 ~ 0 Comments

De volta de novo

Pela enecésima vez, re-blogando. Site ativo, e muita coisa para colocar.

Aqui pelo menos eu não perco as coisas no tempo e no espaço como em outros socia-media-coisas.

Eh vamu que vamu.

21 janeiro 2014 ~ 0 Comments

De volta de novo

Pela enecésima vez, re-blogando. Site ativo, e muita coisa para colocar. Aqui pelo menos eu não perco as coisas no tempo e no espaço como em outros socia-media-coisas.
Vamu que vamu.

10 outubro 2012 ~ 0 Comments

Diário Fernando Norte já sai…

Diário Fernando Norte já saiu! http://t.co/qoWhukbg ▸ Principais notícias de hoje via @glauco @mariocaraujo

Tags: